Ilustração: Graça Graúna.
Maraca aquarelada com café.

Ao poeta Thiago de Mello

Em abril de 1964, quando era adido cultural da embaixada do Brasil, no Chile; Thiago de Mello (1926-2022), filho da floresta amazônica, escreveu o poema “Estatutos do homem”. No mesmo período, o poeta chileno Pablo Neruda traduziu esse poema que, desde então, transita em praças, teatros, escolas e segue até hoje pelo mundo; comovendo multidões…

Rezos e flores

Rezos e flores …faz alguns dias, troquei algumas palavras com pessoas muito queridas. Pessoas generosas me cercam! Falamos da “roda viva” que nos sufoca ao longo dessa pandemia;  da Amizade e do Esperançar que nos sustenta. Para essas pessoas e mais um monte de gente que está atravessando momentos muito difíceis, ofereço rezos e flores;…

Canção óbvia

Canção óbvia           Paulo Freire* Escolhi a sombra desta árvore para repousar do muito que farei, enquanto esperarei por ti. Quem espera na pura espera vive um tempo de espera vã. Por isto, enquanto te espero trabalharei os campos e conversarei com os homens. Suarei meu corpo, que o sol queimará; minhas mãos ficarão…

Fios do tempo em forma de haikai

FIOS DO TEMPO: RESISTÊNCIA INDÍGENA EM FORMA DE HAIKAI Escritora indígena do Rio Grande do Norte lança obra no Dia Internacional dos Direitos Humanos. por Isabel Taukane (povo Kurâ-Bakairi,  Drª em Cultura Contemporânea, pela UFMT) A produção de escritores indígenas tem levado o pensamento e o modo de vida indígena para púbico interessado pela temática…

Fios do tempo: um profundo respiro

Fios do tempo (quase haikais), novo livro da escritora Graça Graúna, um profundo e revigorante respiro! por Cláudio  Henrique (jornalista, MS em Comunicação, pela UFMG) Graça Graúna é mais que escritora, é costureira – em todos os sentidos e representações. Costura a vida. Vida que se faz teia. Teia de afetos. A autora entrega-se a…

Dia da Criança

… Quem disse que a saudade não se mede? Minha saudade é assim: maior que as tranças da minha vó, maior que um monte de areia do mar, bem maior que o mundo (Graça Graúna, out. 2007)

Terra fecunda

Ao Katira Ativista a nossa gratidão pela confiança e generosidade por autorizar a publicação da sua arte revolucionária neste “Tecido de Vozes; especificamente o seu quadro/tela em  homenagem aos povos indígenas. Em 19/04/2021, ele escreveu: “Aquele que, no Brasil, fecha os olhos para a sabedoria dos povos originários, está distante de compreender a si mesmo”…

Imagem-palavra: Rio Catu

Escrevi uns versos que, aos poucos, se transformou em haikai; à semelhança de um casulo que vira borboleta. Até acho atrevimento de minha parte dizer que escrevo haicais; não sou haijin/poeta, mas gosto de poesia e poetas. Muitas vezes, tento driblar os desassossegos com a alma da palavra, da música, da pintura e logo me…

Carregando…

Ocorreu um erro. Atualize a página e/ou tente novamente.


Siga meu blog

Receba novos conteúdos na sua caixa de entrada.