Já nasceu Deus-Menino!!!

 
Entardecer no Ibirapuera. Imagem extraída do Google.

Às vésperas do Natal estive no Parque do Ibirapuera, em São Paulo, numa tarde de domingo com muito sol para celebrar também o início do Verão. Poucas vezes vi o céu de São Paulo com um azul tão nítido e com mesclas amarelas cor de girassol, contrastando com o céu geralmente cinzento decorrente da poluição.

Ibirapuera. Imagem extraída do Google

 

Com o horário de verão o dia pareceu mais longo e as luzes que decoram a fonte do Parque Ibirapuera foram acesas tarde da noite ao som de belas canções, entre elas uma das mais conhecidas composições de John Lennon e Yoko Ono: “Happy Xmas” (http://letras.terra.com.br/john-lennon/#mais-acessadas/22568/).

 
Ibirapuera. Imagem extraída do Google

Na ocasião, centenas de pessoas se acotovelavam na grama para ver mais um espetáculo: a dança das águas e o arvoredo repleto de luz. Também chamou a atenção dos freqüentadores do parque e de todos que estavam ali pelo espírito natalino a grande árvore decorada com anjos, estrelas, sinos e caixas de presente com grandes laços e outros enfeites.  A cada ano que passa, essa árvore surpreende com o seu tamanho os visitantes de várias partes do mundo.

 

Ibirapuera. Imagem extraída do Google

Dois dias antes da festividade em torno do nascimento do Menino-Deus, eu e parte da minha família vimos e ouvimos no Eixo Monumental de Brasília (DF) o coral da cidade que brindou a todos com uma das Bachianas de Heitor Villa-Lobos. Na tão esperada Noite de Natal, nós nos reunimos e agradecemos ao Altíssimo a oportunidade de estarmos juntos, mais uma vez, ainda que uma parte de cada um de nós esteja cumprindo seu ritmo em outras partes do mundo: Pernambuco, Natal (RN), Paraíba, Rio de Janeiro, São Paulo, Barcelona (Espanha).

 
Fonte luminosa do Eixo Monumental/DF. Imagem extraída do Google

E a propósito da mescla cultural em que estamos inseridos, aproveito o momento para encerrar esta reflexão com um pensamento indígena. Nesta perspectiva, tomo a liberdade de compartilhar a mensagem natalina que outros indígenas e eu recebemos do parente Ely da etnia Macuxi (Roraima): “O tempo do Natal é um bom momento para renovarmos nossas esperanças e fortalecer nossa fé num mundo mais justo, mais humano e fraterno para todos. Um bom momento para agradecer o apoio e generosidade de sua amizade e companheirismo. Que o bom Deus, neste Natal, conceda muitas bençãos, saúde e paz para você e sua família.

Que Ñanderu nos acolha, onde quer que a gente esteja.

Que 2012 seja de muita alegria, justiça e prosperidade!

Brasília/DF, verão de 2011

Graça Graúna (indígena potiguara/RN)

Morre em Cabo Verde a Diva dos pés descalços

Imagem extraída doGoogle
Morre em Cabo Verde a cantora Cesária Évora
Fonte: EFE 
Paris, 17 dez (EFE).- A cantora de Cabo Verde Cesária Évora, conhecida como a diva dos pés descalços, morreu neste sábado aos 70 anos em um hospital de seu país, informou a emissora francesa “France Info”.
Évora, nascida na cidade de Mindelo na ilha de São Vicente em 27 de agosto de 1941, havia se retirado dos palcos em setembro por motivos de saúde e de Paris, onde estava, decidiu voltar ao seu país para passar ali “seus últimos dias”, indicou a emissora, citando seu agente e o Ministério de Cultura de Cabo Verde.
No último comunicado de sua gravadora, Lusafrica, no mês de setembro, os médicos que a acompanhavam na capital gala ordenaram o fim de sua próxima turnê, de acordo com seu produtor e manager, José da Silva, o que a levou a decidir pelo fim de sua carreira.
“Seus novos problemas de saúde seguem a várias cirurgias nos últimos anos, entre estas uma cirurgia no coração, em maio de 2010”, detalhava a nota, na qual ressaltava que com essa decisão renunciava a uma vida itinerante que a levou a todo o planeta.
Évora publicou em 1988 seu primeiro álbum, “A diva dos pés descalços”. Mas ela somente alcançou sucesso em 1992, quando lançou “Miss Perfumado”, assombrando o mundo e começou a viajar com sua morna (o blues cabo-verdiano), que segundo sua gravadora sabe transmitir a melancolia de seu país.
A artista recebeu em 2009 a insígnia da Ordem da Legião de Honra da França depois de mais de 45 anos de carreira musical, incluindo seus 14 álbuns.
Ela ganhou o apelido de “diva dos pés descalços”, título de seu primeiro disco, por cantar sem sapatos em suas atuações, em homenagem aos mais pobres, e as letras de suas canções frequentemente eram dirigidas a essas pessoas.

Milhares de índios foram escravizados e dizimados durante o boom da borracha.

 Imagem: Adital

América do Sul: 100 anos da denúncia do horrendo tratamento dado aos indígenas. Milhares de índios foram escravizados e dizimados durante o boom da borracha.
© W Harden, Survival International
Survival pelos povos indígenas
Adital



© W Hardenburg

30 mil índios da Amazônia foram escravizados, torturados, violentados sexualmente e morreram de fome em apenas 12 anos, durante o boom da borracha, de acordo com um relatório histórico apresentado pelo investigador irlandês, Roger Casement, há 100 anos hoje.
Casement foi enviado pelo governo britânico para investigar crimes cometidos pela gigante empresa britânica de exploração de borracha, a Companhia Amazônia Peruana. Ele descobriu, “Os crimes praticados por muitos homens, agora a serviço da Companhia Amazônia Peruana, são do tipo mais cruéis, incluindo assassinatos, violações e flagelações constantes”.
Agentes da empresa detiveram dezenas de tribos indígenas na Amazônia ocidental para coletar borracha silvestre para os mercados europeu e americano. Em poucas décadas, muitas das tribos foram totalmente eliminadas.
Grande parte dos detalhes desse episódio horroroso foi esquecido, mas para os descendentes dos sobreviventes do boom da borracha, é impossível de ignorar a realidade da continua ‘colheita da floresta’.
Os índios isolados, vistos em novas imagens impressionantes no mês passado, são provavelmente descendentes de sobreviventes do boom da borracha, enquanto nas proximidades outra “colheita da floresta” está acontecendo em territórios de tribos isoladas. Madeireiros ilegais, impulsionados pelo elevado valor de madeiras ameaçadas de extinção, estão pressionando ainda mais seus lares na floresta remota.
Uma organização de conservação dos EUA, Upper Amazonas Conservancy (UAC), documentou acampamentos ilegais de madeiraras em áreas habitadas pelos índios isolados da tribo Murunahua no Peru apenas seis meses atrás. No entanto, segundo um comunicado do ministro do Meio Ambiente do Peru na semana passada, o governo tem registro de quase 100% de controle. “Cada árvore de mogno que é cortada hoje é geo-referenciada e controlada”.
O porta-voz da UAC, Chris Fagan, disse a Survival, ‘A declaração do ministro é 100% errada. A maioria do mogno continua a ser cortado em áreas protegidas ou em terras indígenas no Peru de forma ilegal, sem aderir a planos de gestão adequados.’
O diretor da Survival International, Stephen Corry, disse hoje, ‘Onde há dinheiro a ser feito na Amazônia, seja para cortá-la ou tomar suas riquezas enquanto a deixam em pé, tribos indígenas acabam mortas. Essa foi a história de uma centena de anos atrás, e é a história de hoje. Um século de declarações de direitos humanos e inúmeros planos elaborados para salvar a floresta, não fizeram muita diferença; eles não farão até o momento que os índios, quem são os donos das terras, sejam colocados no centro do debate. Eles provaram ao longo dos anos que eles são de longe os melhores guardiões de sua própria terra’.

————

Nota da Adital
Leia sobre esta historia na página Survival na internet (em espanhol): http://www.survival.es/noticias/7094
Para mais informações e imagens, por favor entre em contato com Miriam Ross (em inglês e português) no telefone (+44) (0)20 7687 8734 ou (+44) (0)7504 543 367 ou por email mr@survivalinternational.org