Moça com o livro. Reprodução do Jornal Folha de São Paulo,
em homenagem aos 60 anos do MASP.
Na semana dos 456 anos da cidade de São Paulo, a Folha de São Paulo publicou alguns encartes com reproduções (em papel couchê) de obras que fazem parte do acervo do Museu de Arte de São Paulo (MASP), tais como: o Pobre pescador, de Paul Gaugin; A canoa sobre o Epte, de Claude Monet; A bailarina vista dos bastidores, de Toulouse-Lautrec; O escolar, de Vicent Van Gogh; Rosa e Azul (as gêmeas), de Pierre-Auguste Renoir; Quatro bailarinas em cena, de Edgar Degas; Rochedos em L’Estaque, de Paul Cézanne e Moça com o livro, do brasileiro Almeida Junior (1850-1899). Um presente e tanto! Uma das reproduções chamou a minha atenção, mais pelo conteúdo; ainda que, na forma, o seu autor não seja considerado moderno. Segundo os estudiosos do assunto, esse pintor desenvolveu a arte de pintar mulheres e livros, destacando também os cabelos curtos das suas personagens; “o que até então no Brasil, eram práticas de estrangeiras ou prostitutas […] E, mesmo assim, ao retratar a ‘Moça com o livro’ ao ar livre, o artista se aproxima da prática impressionista que ocorria em Paris, no fim do século 19”, como sugere o texto do encarte da Folha de São Paulo (2008).

Passei um bom tempo contemplando a arte de Almeida Junior e fico me perguntando sobre o tempo que se leva para se reconhecer fazendo parte de um universo em que o ato de ler se confunde com amar e viver; crescer e provavelmente morrer de esperar; mergulhar ou abrir novos caminhos como quer a sensualidade do olhar, da boca pintada e da blusa branca decotada que se confunde com as páginas brancas ou escandalosas do livro; assim, como sugere a estreita relação entre a mulher e a literatura na pintura desse paulistano de Itu. Ao estabelecer também o confronto e as relações entre o ser e a leitura, esse artista revela ao mundo sua percepção em torno da condição feminina, para não esquecermos que até 1838 as mulheres eram proibidas de ler e para tanto, elas precisavam de autorização.

A propósito da mulher-leitora na pintura impressionista de Almeida Junior, reitero minhas impressões acerca da condição feminina em um depoimento meu no livro Retratos (antologia poética organizada por Elizabeth Siqueira e Laura Areias), onde relato que somos um feixe de acontecimentos. Desse modo, saudando a moça com o livro,

saúdo as minhas irmãs
de suor papel e tinta
fiandeiras
tecelãs
retratos que sonhamos
retratos que plantamos
no tempo em que a nossa voz era só silêncio

Graça Graúna (idígena potiguara/RN)

Nordeste do Brasil, 30 de janeiro de 2008

8 comentários sobre “A propósito da moça com o livro

  1. Recebi do poetamigo Josualdo Menezes, o seguinte comentário que ele deixou no orkut.Josualdo disse:Gostei. Gostei muito.Tanto o belo e suave olhar e a delicadesa destraída de uma das mãos da moça, como as letras da Graúna que me ajudaram a perceber mais no olhar contemplativo da mulher. De todas as mulheres.Desconhecia o autor.Obrigado.

    Curtir

  2. Mais um recado que recebi no orkut. Erasmo, meu aluno de Letras disse:Minha Querida e Amada Graúna!!!! Adorei su crônica!!!!! Como sempre vc permite transparecer toda a sua sensibilidade por meio da literatura a arte em suas múltiplas faces!!!! um xêru pra vc …… saudades infinitas… \”poesia de pedra e sal…\”

    Curtir

  3. Mais um comentario vindo do orkut. Dessa vez, minha filha Ana Inês:Oi mainha!a moça com o livro realmente encanta e tb nos remete a nós mesmas. mas, como seria bom sermos vistas de maneira tão singular, não é mesmo? saudades…

    Curtir

  4. Recebi o seguinte cometário da musicista e poeta Gilia Gerling:Graça Graúna,Muito obrigada por tantas palavras de apreço por minha página no VEROPOEMA.Fiquei emocionada com seu comentário e fui direto ao seu Blog.Vi lá que você é de Recife!!!!Puxa vida…se você soubesse como amo essa terra!Quando eu tinha 7 anos, fui morar por essas bandas com meus pais e irmão.Hoje tenho 55 anos e posso dizer que foram os melhores anos de minha vida.Fiquei por aí 8 anos.Meu pai, na época, era missionário e fomos morar em Belem de Maria, onde havia um colégio Adventista. Meu pai e minha mãe foram dar aulas de música no colégio e também meu pai, na época pregava, como pastor.Ficamos lá três anos e depois nos mudamos para Recife, capital mesmo!!!!Eu amo Recife. Voltamos para o RJ em 65 quase 66 e depois só voltei aí em 68.Um dia ainda voltarei! Graça, a música que ilustra minha página não é minha composição. Eu componho, sim, mas essa que ilustra foi colocada pelo Edmir, creio que o dono do VEROPOEMA.Eu gostaria muito que fosses até meu E Book, o primeiro e único, por enquanto.Já que somos \”irma\” na astrologia, tenho certeza que meu livro falará direto a você.Espero que a gente possa trocar mais idéias, letras e versos!Estou \”viajando\” em seu Blog e também vou divulgá-lo em meu Blog!O melhor caminho para ler meu E Book é acessar http://www.gilia.com.br Renovo meu agradecimento e emoção por seu comentário e apreço!Recebe meu abraço honesto,Gilia

    Curtir

  5. De: bethamendes2@hotmail.comPara: ggrauna@yahoo.com.brOi, Graúna, tudo em paz?Lendo um texto de Gilia Gerling no veropoema, vi um comentário seu e fiquei tão feliz. Descobri seu e-mail no espaço de comentários e vi também que você tem um blog, que já visitei. Li alguns de seus textos(maravilhosos), vi a arte de seus netos (o tempo passa, hein?) e fico extremamente feliz com seus livros e com a sua trajetória. Você merece!Sempre que vejo Sula, pergunto por você!Eu estou aqui em Carnaíba, mas sempre vou a Recife, principalmente agora que minha filha está estudando aí.Manda notícias, tá?Abraços de Betha.

    Curtir

Deixe uma resposta para Art'palavra Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s