II Jornada de Crítica Literária 
Ecocríticas: Estados de Natureza
Datas: 14 e 15 de agosto de 2017
Local: Auditório do IL, subsolo do ICC Sul

1. Introdução ao evento

A Natureza já foi vista como o elemento negativo frente ao qual o Humano se afirmava. Sabe-se, hoje, que outras relações são possíveis – é o que mostra a vida e a experiência dos povos indígenas. No plano teórico, passou-se a pensar na Natureza enquanto múltiplo (o “multinaturalismo” de Eduardo Viveiros de Castro) e na inadequação do conceito (a “ecologia sem natureza”, de Timothy Morton). Dentro do que chamaríamos de “Cultura”, sabe-se que o fundamento do Estado é biológico – seja na relação do conceito de soberania com o animal (em Agamben e Derrida), seja na relação biopolítica do Estado com os seus sujeitos (Foucault).

       Trata-se ainda, portanto, de repensar o conceito de Estado através de sua relação com o “natural”, problematizando os conceitos utilizados. Se, nas teorias do Estado que surgiram na esteira do contato dos europeus com os ameríndios, pensava-se num “Estado de natureza” como ficção explicativa do contrato social, pode-se agora pensar em Estados de Natureza, uma multiplicidade de relações que aproximam e contrapõem o Estado enquanto prática político-policial a uma Natureza múltipla sob constante ameaça.
       Tais relações múltiplas perpassam o campo dos estudos literários. A consolidação da área da Ecocrítica, nos últimos anos, reafirma a relevância de se discutir as múltiplas relações entre “natural” e humano. Dentro do panorama contemporâneo, devassado pela crise ambiental e por crises humanitárias sem número, a crítica literária tem uma responsabilidade frente ao presente: como pensar uma literatura que se engaja em temáticas que cruzam os campos do Estado e da “Natureza”?

Promoção:
Grupo de Estudos em Literatura Brasileira Contemporânea

Agências financiadoras: FAP-DF e CAPES

Coordenador: Pedro Mandagará (UnB)

Comissão Organizadora:
Anderson Luís Nunes da Mata (UnB)
Leila Lehnen (University of New Mexico)
Patrícia Trindade Nakagome (UnB)
Virgínia Maria Vasconcelos Leal (UnB)

Comissão Científica:
Ana Cláudia da Silva (UnB)
Devair Fiorotti (UERR-UFRR)
Regina Dalcastagnè (UnB)
Vinícius Gonçalves Carneiro (Paris-IV)

Programação e convidados
Dia 14 de agosto
19h – Abertura do evento
19h30 – Literatura e Direitos Humanos
Graça Graúna (UPE) Álvaro Tukano (Memorial dos Povos Indígenas, DF)

Dia 15 de agosto
9h30 – Biopolíticas 
Leila Lehnen (Universidade do Novo México)
Graziele Frederico (UnB)
Paulo Thomaz (UnB)

13h30 – Ecocríticas
Victoria Saramago (Universidade de Chicago)
Antonio Barros de Brito Junior (UFRGS)
Jorge Luiz Adeodato Junior (UFC)

16h – Alteridades 
Lucia Sá (Universidade de Manchester)
Devair Antonio Fiorotti (UERR-UFRR)
Waldson Souza (UnB)

18h – Lançamento das Edições Carolina Lançamentos de livros

2 comentários sobre “II Jornada de Crítica Literária Ecocríticas da UNB, com Álvaro Tukano e Graça Graúna

  1. Graça Graúna, estimado Grão, parente intemporal, guê!Com o \”salve\” do idioma tupi para reafirmar meu amor por ti, por tua escrita ameríndia. Todos conhecimentos e todos os conceitos em rios de palavras atravessadas, tranqueiras de árvores adensadas na angústia de tecer acerca da relação humano – natureza – cosmos e o indígena é, sobretudo e desde sempre um ecocêntrico.Que nossos ancestrais circulem energia nesse evento em que estará com o parente Álvaro Tukano, conhecedor de mistérios!Na nova lua ele virá e a Luz materializará em seu fala e tudo será de uma só vez, pleno e já sem o verbo.Gratidão mana!Ps.: horas antes de 9 de agosto, Dia Internacional dos Povos Indígenas.Ademario Ribeiro Payayá.

    Curtir

  2. Blogger Ademario Ribeiro disse…Graça Graúna, estimado Grão, parente intemporal, guê!Com o \”salve\” do idioma tupi para reafirmar meu amor por ti, por tua escrita ameríndia. Todos conhecimentos e todos os conceitos em rios de palavras atravessadas, tranqueiras de árvores adensadas na angústia de tecer acerca da relação humano – natureza – cosmos e o indígena é, sobretudo e desde sempre um ecocêntrico.Que nossos ancestrais circulem energia nesse evento em que estará com o parente Álvaro Tukano, conhecedor de mistérios!Na nova lua ele virá e a Luz materializará em seu fala e tudo será de uma só vez, pleno e já sem o verbo.Gratidão mana!Ps.: horas antes de 9 de agosto, Dia Internacional dos Povos Indígenas.Ademario Ribeiro Payayá.terça-feira, 08 agosto, 2017 ExcluirBlogger Graça Grauna disse…Querido Admario: as suas palavras são um gesto concreto de amizade; digo isto porque você sempre está por perto,à maneira de um anjo bom que envia sua luz. Obrigada pelo carinho.Que Nhanderu nos acolha,Graça Grauna

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s