O “Pai do Mangue”, a “Cumade Fulorzinha” (Mãe do Mato), “Sopinha e Cu de Fogo”, o “Batatão” e as “Bruxas de Coqueirinho” são histórias que vencem o tempo, sobretudo quando contadas por guardiões e guardiãs; assim, como acontece nas aldeias Jacaré de César e Três Rios, lideradas respectivamente pelos caciques Edilson de Lima (Tita) e  Joseci  Soares  da  Silva (Ci), do povo potiguara da Paraíba.

À luz da pesquisa “Tradicionalidade,  territorialidade  e   encantamento  no Pai  do Mangue”, de Milena Veríssimo Barbosa; a coletânea É história viva, num é história morta (publicada em PDF, pela Editora UFPB, 2020) foi organizada por Luciane Alves Santos, Maria Alice Ribeiro Gabriel, Michelle Bianca Santos Dantas e Milena Veríssimo Barbosa: pesquisadoras do Curso  de Licenciatura  em  Letras,  do  Centro  de  Ciências  Aplicadas  e  Educação  (CCAE),  da Universidade Federal da Paraíba. Entre as organizadoras, Milena Veríssimo (de origem Potiguara) buscou motivação na cultura do seu povo para desenvolver a pesquisa. Segundo consta na Apresentação da referida coletânea de narrativas orais:

o interesse  em  estudar  as  narrativas  orais  deve-se  ao  fato  de Milena   Veríssimo,   indígena potiguara,   ter   passado   a   infância ouvindo   os   contadores   de   histórias   da   Aldeia   Jacaré de César falarem  sobre  personagens  encantados,  a  exemplo  dos  relatos  de seu  bisavô, carinhosamente  chamado de “Pai  Neco”, que narrava casos da    Cumade Fulorzinha, do Batatão, Pai do Mangue, experiências de vida e memórias da tradição” (p. 10).

A transcrição das entrevistas gravadas por Veríssimo, em áudio, contou com a colaboração de Michele B. S Dantas (Professora Adjunta do Departamento de Letras, UFPB). Foram entrevistados “dois homens e três mulheres com  idade entre  64  e  81 anos,  [que] vivem  há  muitos  anos  nas  aldeias  Jacaré  de César e Três Rios” (p. 12). Ao longo de dois meses (março e abril de 2020) a pesquisa foi interrompida pela Covid19. Não foi nada fácil o processo de elaboração do livro durante a pandemia. As organizadoras da coletânea observam que o processo faz parte de um momento histórico “de apreensão e incerteza para os povos indígenas do país, devido a graves desastres ambientais e às perdas humanas causadas   durante   a   Pandemia,  cuja   extensão   não   é   possível mensurar ou reparar por completo” (pp. 11-12).

Nessa coletânea, as pesquisadoras comentam que a colaboração no campo de obras literárias e de publicações científicas entre o meio acadêmico e os povos originários ainda é muito recente no Brasil; elas fazem também referências a estudiosos e estudiosas, pensadores e pensadoras, autores e autoras da literatura contemporânea escrita por indígenas no Brasil:  

Entre   os   autores   mais conhecidos   encontram-se   Daniel   Munduruku,   com   mais   de   50 títulos  no  campo  da  literatura  para  crianças  e  jovens,  seguido  de Ailton   Krenak,   Álvaro   Tucano,   Arão   da   Providência   Guajajara, Cássio  Potiguara,  Cristino  Whapichana,  Darlene  Taukane,  Edson Brito,   Edson   Krenak,   Eliane   Potiguara,   Ely   Macuxi,   Florêncio Almeida   Vaz,   Graça   Graúna,   Naine   Terena,   Olívio   Jekupé,   Roni Wasiry   Guará,   Tiago   Hakiy,   Yagrarê   Yamã,   dentre   outros.” (pp. 14-15)

Entre as abordagens críticas da coletânea, cabe sublinhar o pensamento do ativista Ailton Krenak. Ao denunciar o preconceito e o estereótipo que os saberes indígenas sofrem, o líder Krenak enfatiza que a literatura indígena escrita; “a literatura indígena em papel é uma tradução de narrativas ricas, complexas e profundas no contexto original de produção” (p. 19).

Apesar dos tempos obscuros marcados pela Covid19, essa coletânea de narrativas do povo potiguara da Paraíba traz a beleza dos saberes ancestrais compartilhados pelos narradores Orlando Soares de Lima, 67 anos, morador da aldeia Jacaré de César e o Cacique Josecí Soares da Silva, 64 anos, morador da aldeia Três Rios;  pelas narradoras Dona Izabel Veríssimo de Lima, 65 anos e Dona Maria Matutina Soares, 81 anos: ambas moradoras da Aldeia Jacaré de César e Dona Zita, 66 anos, moradora da aldeia Três Rios.

Nessa perspectiva, aqui fica o convite para criarmos pontes entre a oralidade e a escrita; um convite para acolher a literatura indígena, isto é, uma manifestação que implica um conjunto de vozes de autores que testemunham “de memória” as histórias cotadas pelos mais velhos e por todos/as que não abrem mão da ancestralidade; pois ao dar voz à memória, estamos (coletivamente) perpetuando a tradição.

Nordeste do Brasil,

Graça Graúna (indígena potiguara/RN)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s