Carta da Aldeia Bananal

Aldeia Bananal – Imagem extraída do Google
Nós povo indígena Terena da Terra Indígena TAUNAY/IPEGUE (Aldeia Imbirussú, Aldeia Água Branca, Aldeia Morrinho, Aldeia Lagoinha, Aldeia Bananal, Aldeia Ipegue), reunidos na aldeia Bananal,  juntamente com nossas lideranças, anciãos, movimento das mulheres, professores indígenas, acadêmicos indígenas e demais organizações,  em prol do desencadeamento da demarcação  de nosso território,  viemos em público expor:
1.   O estudo de identificação de nosso território encontra-se concluso e publicado, mas ate o momento não foi realizado pela FUNAI a etapa de finalização da demarcação. A demais o processo esta paralisado por ordem judicial que acatou pedido de suspensão da demarcação por parte dos proprietários rurais.
2.   Enquanto isso nossa terra esta ficando cada vez menor devido ao crescimento populacional, trazendo conseqüências de varias ordens, principalmente a questão da subsistência, meio ambiente, acarretando a dependência dos programas sociais. O extrativismo que antes era praticado por nós índios não atualmente não se pode realizar esta atividade, o que deixou de ser repassado a classe mais jovem. Na questão do meio ambiente existe a insuficiência de mananciais de água para praticar a pesca e também a caça, pois os rios e lagos aptos a práticas da pesca encontra-se dentro de fazendas que cercam nossa terra.
3.   A terra indígena encontra-se cercada de por propriedades rurais que desenvolvem atividades ligadas ao agronegócio,  propriedades rurais estas que dizem ser produtoras, mas entendemos que as mesmas não se preocupa com as questões ambientais.
4.   Somos vistos como um entrave para o desenvolvimento do agronegócio do pais, mas queremos aqui ressaltar que somos os guardiões do meio ambiente, onde por questões dessa natureza deveríamos ser compensados por isso.
5.   Quanto a questão da saúde a cada dia que passa em nossa aldeia esta cada vez mais pior, nossa comunidade esta sofrendo, com a fragilidade do órgão que trata da questão da saúde. Só para exemplificar, em menos de uma semana faleceram 04 pessoas vitimas de varias enfermidades, na Terra Indígena Taunay/Ipegue.
6.   Na área da educação, também temos sofrido com a falta de nossa autonomia, o descasso com nossos profissionais indígenas e tamanha que seus espaços em sala de aula não são garantidos, prevalecendo a contratação e indicação pelo viés político. O que deixa de ser respeitado nossa vontade que de poder ver as escolas todas composta por profissionais indígena.
Face a estas problemáticas o que  queremos e a garantia de nossos direitos de acesso a terra, uma vez que a hoje nos vivemos sobre forte pressão do agronegócio que se alastram ao entorno deste pequeno pedaço de terra. Terra esta que é insuficiente para garantirmos nossa sobrevivência, diante desta situação muitas famílias tem deixado nossa aldeia e partindo para as cidades onde estão localizadas os pólos industriais.
Deixamos claro que nosso movimento está forte e organizado pronto para lutarmos para a retomada de nossos territórios.
Aldeia Bananal, MS em 17 de março de 2012.

Carta aos(às) pesquisadores(as)

Imagem extraída do Google
          Criar um Grupo de Pesquisa não é uma tarefa fácil e mantê-lo em atualização faz parte do desafio a que nos propomos desde o surgimento do nosso Grupo. O desafio é ter em mente o objetivo de compartilhar o conhecimento. Chegamos a pensar em criar mais um grupo para dar conta das nossas inquietações acadêmicas e nos deparamos com a necessidade de fortalecer o espírito de pesquisa de um grupo que, desde o ano de sua criação em 2005, mantém-se fiel às linhas de pesquisa e que a nosso ver contribuem para a Certificação do mesmo junto ao CNPq e à UPE.
          Naturalmente, o nosso Grupo de Pesquisa foi estreitando laços e na perspectiva de unir diferentes saberes (como sugere o próprio termo Universidade), nos deparamos com a necessidade de renomear o grupo anteriormente chamado de Grupo de Estudos Comparados em Literaturas de Língua Portuguesa (Grupec). O nosso espírito de pesquisa continua o mesmo, de tal forma que não hesitamos em renomear o Grupo e a partir desta data em que se comemora o Dia Internacional da Mulher (08/03/2012), a sigla Grupec passa a significar: Grupo de Estudos Comparados: literatura, história e interdisciplinaridade.
          Ao apresentarmos esta explicação acerca do nosso Grupec, esperamos estar contribuindo para o aprimoramento dos estudos comparados e agradecer, desde já, pelas críticas e sugestões dos(as) colegas pesquisadores(as).
Atenciosamente,
Profª Drª Graça Graúna (Letras, UPE/Garanhuns)
Profª Drª Magdalena Almeida (História, UPE/Garanhuns)

Carta do povo Zoró aos Yanomami e Ye´kuana

 Foto: Survivalinternational.org
From: povozoro@hotmail.com
To: mauricio.yekuana@hotmail.com
Subject: RE: CARTA DO POVO YANOMAMI E YE’KUANA
Date: Thu, 2 Jun 2011 09:33:05 -0400
Carta de apoio aos parentes Yanomame e Ye`kuana,
Parentes,
Aqui em Rondônia estamos travando a mesma luta contra as imposições do governo na implantação da SESAI, que ao invés de criar uma secretaria para fortalecer a Saúde indígena, estão tentando manter a mesma cúpula da FUNASA no poder, sem levar em consideração a participação de nós indígenas. Chega de manter sanguessugas na saúde indígena. 
Conhecemos bem a história do Senador Romero Jucá e seus interesses políticos e econômicos sobre as terras indígenas, talvez sejam estes interesses que estão escondidos por trás das indicações políticas para os cargos da SESAI. 
Vamos nos manter firme no propósito de defendermos as políticas de saúde dos nossos parentes sem permitir a influencia de políticos desonestos, pois estas deliberações vindas dos gabinetes de Brasília, sem o nosso conhecimento, só vem prejudicar a todos os parentes que precisam de um atendimento de saúde digno e de qualidade. Se a Senhora Joana Claudete é aliada aos indígenas e tem capacidade para se manter no cargo não justifica o interesse em mudanças, principalmente sem ouvir os parentes envolvidos. 
Isto é uma questão de direito, pois não se brinca com saúde e nem de tirá-la e principalmente por simples interesse político
Ji-Paraná 01 de junho de 2011.
Alfredo Sep Kiat Zoró
Diretor-presiente da APIZ
Agnaldo Zawandu Zoró
Diretor vice-presidente
Assis Yassani Gavião
Diretor-secretário