Escultura: Leo Santana. Foto: Custódio Coimbra

No meio da paisagem tem um poeta.
Toco suas mãos, suas feridas
em meio a tantos saberes no mar da escrita
nossas mãos – produtos de perdas e pedras –
escrevem sobre paz e guerra
sobre (des)caminhos e sonhos abortados.

Tem um poeta
no meio da paisagem.
Da sua retina, diviso o clarão da lua
que abranda a fúria de outras ondas
em Copacabana
a lua, o poeta e outros eus
entre a vida e a morte de mãos dadas
tudo a se multiplicar
numa ciranda de sonhos ao redor

Graça Graúna, uma noite em Copacaba/RJ, 1.junho.2008

Nota:poema publicado no Overmundo.

6 comentários sobre “Noturno

  1. Boa tarde, Professora!É muito gratificante a leitura do seu texto. A grandiosidade, o sentimento, a tristeza, o amor manifestado em cada palavra, a sutileza e primor na composição do poema, maravilha pura! Parabéns pela obra e pessoa que és, pelos prêmios da web, etc.Saudações, Marcos Mendes

    Curtir

  2. Querida Graça,Em vez de uma pedra… Um poeta no caminho. Que encanto de poema leio agora em seu blog! Ai, ai, apenas agora atualizei meu blog e coloquei o lindo meme que você me recomendou… Perdoe-me a demora.Muitos beijos, Madá

    Curtir

  3. Comentário de Cristiano Melo:———–Grauninha,O poeta em vigília perene num banco de Copa. De costas ao mar e de frente aos transeuntes. Poetas são estátuas de marfim ambulantes, quimeras inspiradas por musas… Fico em dúvida às vezes se isto é um dom ou uma sina.Muito bom ter seu espaço para refletir sobre a poética.Parabénsbeijos

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s