REINVENÇÃO


Nascer do sol, de Monet
 
 

A vida só é possível

reinventada.
 
Anda o sol pelas campinas
e passeia a mão dourada
pelas águas, pelas folhas…
Ah! tudo bolhas
que vêm de fundas piscinas
de ilusionismo… — mais nada.
 
Mas a vida, a vida, a vida,
a vida só é possível
reinventada.
 
Vem a lua, vem, retira
as algemas dos meus braços.
Projeto-me por espaços
cheios da tua Figura.
Tudo mentira! Mentira
da lua, na noite escura.
 
Não te encontro, não te alcanço…
Só — no tempo equilibrada,
desprendo-me do balanço
que além do tempo me leva.
 
Só — na treva,
fico: recebida e dada.
 
Porque a vida, a vida, a vida,
a vida só é possível
reinventada.
 
(Cecília Meireles)

Um comentário sobre “Nada de novo e tudo de novo

  1. Aos parentes e amigos: postei esse poema de Cecília Meireles, perto do meio dia de 31 de dezembro, em Brasilia/DF. Escolhi a tela de Monet para ilustrar os sonhos que nos cercam, pois creio que tudo se renova porque a vida – como diz Cecília – só é possível quando reinventada. Abraços de luz para todos, Graça Graúna

    Curtir

Deixe uma resposta para Art'palavra Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s