NASCIMENTO (Manuel Serafim Soares Filho): nasceu na Aldeia Catu, no dia 18/11/1950. Indígena potiguara/RN, Filho de Manuel Serafim Soares e Maria Argentina da Silva. Artesão e inspirador do movimento de resgate da cultura indígena na comunidade do Catu. Como artesão, ele também fez grinaldas para funerárias e para o dia de finados. É autor de “Minha vida do passado”, isto é, a segunda parte do Cordel, publicado em parceria com o poeta Vando (Vandregercílio Arcanjo da Silva), com apoio da Fundação José Augusto.

Parte V

Foto cedida por Vando (potiguara/Catu)

Em 19 de abril de 2014, ao entrevistar o poeta Nascimento Soares, na Aldeia Catu (localizada entre os municípios de Canguaretama e Goianinha/RN), a historiadora Gildy-Cler Ferreira da Silva (2016, p. 29) registou na pesquisa “NÓS, OS POTIGUARA DO CATU”: emergência étnica e territorialização no Rio Grande do Norte (Século XXI), o seguinte depoimento:

“Me fortaleci, levei meu barco a frente para que hoje eu esteja aqui dizendo, “nós ainda somos índio” [barulho de maracá], né isso mesmo? Então, assim, isso é um dever, um direito nosso de dizer a vocês: eu sou Manoel Serafim Soares Filho, o popular Nascimento, um dos primeiros índios reconhecidos do Rio Grande do Norte”.  

A pesquisa de Gildy-Clear (2016, p. 70) traz um recorte poético de Nascimento, nos seguintes versos:

Eu sou índio de verdade!

Quase ninguém acreditou.

Me entrosei pela cidade,

Mas voltei para o interior,

Quase na terceira idade,

Mas deus tupã me ajudou

CORDEL

MINHA VIDA DO PASSADO

NOTA: agradeço aos parenetes Vando e Meyriane por compartilharem os versos de Nascimento.
Esta imagem possuí um atributo alt vazio; O nome do arquivo é image-1.png
Parte VI
Foto cedida por Meyriane

Meyriane Costa de Oliveira mora na Aldeia Catu. Potiguara, descendente do tronco Pitangui (do grupo familiar Capim), em Estremoz/RN; lugar também da sua avó materna: dona Nizete Batista da Costa (85anos). Ela estuda no IFRN e na condição de artesã, “já liderou um grupo composto por aproximadamente 11 artesãos indígenas no Catu, função ocupada, atualmente, por Moisés Teodolino”, segundo Milton Bezerra (2017, p. 42), no livro Artesanato Potiguara/Editora IFRN.  Em 26 de setembro de 2019, solicitei (por e-mail) que Meyriane me autorizasse publicar um de seus poemas neste blog. Ela, gentilmente, enviou os originais do seu livro do qual selecionei o seguinte poema:

CURA DA MATA

Entrega tudo de graça, com tanta graça

Veja só como é

Raízes fortes sugam a energia vital

Nos deixa seu exemplo,

Pra nos curar de qualquer mal

Urtiga branca, uma boa raiz,

Anti-inflamatória pra tudo

Guagirú, baixa colesterol e diabetes,

Bem emagrece!

O leite da mangaba pra gastrite não tem melhor

E a flor de boa noite branca, quem diria pra gripe

Barbatimão cicatriza que é uma beleza,

Com tanta proeza

Vou indo, vou curando

De mãos dadas com a mãe natureza

Tem água no cabaço esfriando no terraço

Me despeço descalço pro toré.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s