Rio Capibaribe (Recife). Foto: Marcio Cabral de Moura – Flickr

À flor da água:
Recife
Pasargada
penhasco
feérica espera
vereda-mar

Ai, Recife!
Quem-me-quer à flor da pele?
Quem há de enxugar meus prantos?

Graça Graúna. Postal. In: Canto Mestizo, Maricá/RJ, 1999, p. 59

Nota: poema publicado no Overmundo.

2 comentários sobre “Postal

  1. Iracema Caingang, estimada irmã de luta: tenho saudades da mata, dos igarapés, do sossego das aldeias. Apesar das contradições, a cidade grande me fascina. Amo Recife e sofro também por isso. Grta pela leitura do poema Postal.Bjos, Grauninha

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s