Imagem: Flickr

Os reis mag(r)os lentamente
caminham pelo sertão
anunciam que a vida
é de curta duração
enquanto o sol arrebentar
em pedacinhos o chãoLéguas e luas de sede
ovos de camaleão
mas nem tudo está perdido:
na direção da estrela
a flor do mandacaru
dá esperança ao sertão

Graça Graúna
Nordeste do Brasil,

poema publicado originalmente em cartão postal, em dezembro de 1981.
Nota: poema publicado no Overmundo

10 comentários sobre “Folia de reis

  1. De uma sensibilidade imensa tua analogia: reis e retirantes…A estrela anunciante, o sol maior….Deixo-te algo meu, como filha de sol forte que sou:Quando tu me [Nor]deste tua sedeSou desértica em sedesemântica de serNordeste.Descalça descaminhopor paisagens não-verbaisEspinho.Fotossíntese em sintaxesol que chora, cora e arde[pela chuva]Sertão.Soul nublada.Soul crepúscula.Meu poema feito ave[de arribação]….Nos sulcos desse soloInscrevo-me em entrelinhasEscorro-me em desalinho..SeRio secoSorrio em cheio[boca sequiosa a olhar o céu].É quando conto preces miudinhasNas contas das mãos rezadeirasmulheres rendeirasnão se rendem à falta de[bordam-se da fé que alguém perdeu].Povo meu!Segue o desvio da sua sinalavadeiras sem leito, sem fozsem vozes justiceirasvagueando à luz de seremcandeeiras, lamparinasem seus passos pacientesde Sinhá Vitória rouca,de esperança Severina..Katyuscia CarvalhoUm beijo.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s